Vereador quer saber se ambulâncias estão sendo usadas indevidamente

241017095147.jpg
“De acordo com as reclamações que recebo, tem pessoas que não necessitam e requerem essas ambulâncias para ir até o centro da cidade”, disse Chico

 

O vereador Adalberto Francisco de Oliveira Filho (PMDB), o Chico do Cartório, questionou a Prefeitura, durante a última Sessão Ordinária, sobre o uso das ambulâncias que pertencem à frota municipal que, segundo denúncias, estariam sendo utilizadas indevidamente. O representante do Poder Legislativo afirma receber reclamações de munícipes sobre usuários que solicitam o transporte, alegando ser para socorro médico, mas utilizam o veículo para se deslocar até a região central da cidade e realizar outras atividades.

Chico afirma que “várias pessoas me ligaram informando que esse uso está sendo indevido. Tem pessoas que não necessitam e requerem essas ambulâncias para ir até o centro da cidade. Eu fiz esse requerimento para saber se isso está acontecendo. Tem pessoas que necessitam e não estão obtendo esse benefício”, comentou o vereador.

Luiz Henrique Viotto (PP), o Macetão, aproveitou a discussão e ressaltou que há regras para utilização das ambulâncias: “Eu li uma portaria que fala justamente dessa regulamentação. Ela fala de algumas coisas que são obrigatórias para que ocorra esse translado. O paciente precisa estar acamado, ter idade superior a 60 anos, fazer uso de algum tipo de medicamento que dificulte seu caminhar. É fundamental verificar se há abusos, descumprimentos e se há a possibilidade de melhorar essa portaria”.

Chico destaca que o uso indevido de ambulâncias gera custos, debilita ainda mais o setor financeiro da área da saúde e compromete os atendimentos a pacientes em situação de emergência. O vereador aproveitou o requerimento para indagar quais os critérios utilizados pelas unidades de saúde para liberar ambulâncias com o objetivo de socorrer pacientes necessitados.

Os vereadores aprovaram o requerimento 167/2017 por unanimidade. O documento foi encaminhado ao Poder Executivo, que tem até 15 dias úteis para enviar resposta ao Legislativo.

Com a palavra, a secretaria de Saúde:

Em resposta às indagações do jornal A Tribuna a respeito das reclamações relatadas pelo vereador Chico do Cartório, a Secretaria Municipal de Saúde de Jales, disse “não recebeu nenhuma reclamação desse serviço. Eles disseram ainda que “de acordo com o protocolo do serviço de remoção do município realizado em 2015, o serviço de transporte de remoção de pacientes eletivos (sem gravidades ou riscos) está inserido juntamente à Central de Regulação Médica de Urgência do SAMU 192 REGIONAL JALES através do telefone 192, onde as chamadas são atendidas pelos profissionais TARM (técnico auxiliar de regulação médica) e RO (rádio operador), sendo realizado todo o tipo de atendimento, até os considerados sociais, tais como atendimento para o HC, AME, ARE, Núcleo Central de Saúde, atendimento de fisioterapia em geral, atendimento de ortopedia, atendimentos para a APAE, UPA, Centro de Imagem, SAE/CTA, equoterapia/hidroginástica, INSS, todos os tipos de retornos após os atendimentos, CEO/ESFs, atendimentos em clínicas particulares, todos os tipos de alta hospitalar, atendimentos para internação na Santa Casa,     atendimentos à pacientes agendados para viagens que não possuem meios próprios para o antigo Pronto Socorro onde saem em sentido a São José do Rio Preto/Barretos/Palmeira D’Oeste; atendimentos ao laboratório do SUS, Santa Casa e particulares e consulta à Saúde Mental e UPA”.

Deixe um comentário

Parceiros

050315164829.jpg
050315165005.jpg
050315163746.jpg
050315172328.jpg
050315171824.jpg

Colunistas

Últimas Notícias

A Tribuna TV

Enquete

Para combater o mosquito que transmite Zika,Dengue e Chikungunya, os agentes de saúde devem ou não entrar nos locais com suspeita de foco mesmo sem a autorização do proprietário?



Resultados