Teatros de portas fechadas

170117095223.jpg
.

Vivemos preenchendo o conteúdo das conversas com desastres, catástrofes, mortes, presos, políticos corruptos, mas só há troca de informações, e não de opiniões. Ninguém pergunta por que o céu é azul para uns e colorido para outros.

A mania de encontrar defeito em tudo está enraizada no pensamento “instantâneo” que vem crescendo cada vez mais. Tudo é para “ontem”. Se a pessoa não lhe agrada, é descartada. Se um lanche não sai como o desejado, há imediata reclamação.  Se há falta de cômodo para acomodar ilustres líderes políticos, há oposição. Se há muitos presos, construímos mais presídios. Mas, indago: e se houvessem mais teatros?

Ah, se houvessem mais teatros, haveria mais cultura, saúde, educação.  Haveria arte, invés de malandragem. Haveria grafite invés de pichação. Haveria dança, invés de roubos. Haveria música, invés de um som com palavras chulas tocando alto nos carros. Não teriam crianças e adolescentes à toa nas ruas. Nem políticos contando as horas nos relógios. O mundo seria mais colorido, e não branco e preto.

Mas começamos pelo lado errado. É necessário cortar o mal pela raiz, invés de com o tempo torná-lo útil. É muito mais fácil colocar todos num castigo eterno, que ensinar como viver. Educar realmente é um dom para poucos, talvez não para o governo. Por isso, o piso salarial dos educadores é o maior dentre outros profissionais. Como afirma Paulo Freire “se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda”.

Talvez a falta de criticidade aumente, com a ausência de matérias como artes, filosofia, sociologia, educação física, em certas grades curriculares. Afinal, não é preciso exercitar o corpo e a mente. Somos manipulados diariamente, nos métodos de ensino, em oratórias de líderes influentes. Não exigi-se mais o conhecimento, mas sim a praticidade. A razão é dos que tem sobrenome e dinheiro.

Mas, se houvessem mais teatros haveria peças com finais felizes. Saberíamos como lidar com os dramas, e os personagens principais seriam mais responsáveis. Afinal, o ao vivo não permite erros. Haveria mais ensaios antes da apresentação de novas idéias, e execução de novidades. E quem sabe após o espetáculo, a cortina continuasse aberta para um show de aplausos.

Deixe um comentário

Parceiros

050315164829.jpg
050315165005.jpg
050315163746.jpg
050315172328.jpg
050315171824.jpg

Colunistas

Últimas Notícias

A Tribuna TV

Enquete

Para combater o mosquito que transmite Zika,Dengue e Chikungunya, os agentes de saúde devem ou não entrar nos locais com suspeita de foco mesmo sem a autorização do proprietário?



Resultados
Feliz Natal