Surto de Covid-19 no Lar dos Velhinhos é localizado e não há risco para a população

071221093027.jpg
.

O surto de Covid-19 no Lar dos Velhinhos de Jales se iniciou na segunda semana de novembro e não teve relação com as festividades de Natal, já que a população só foi reunida na avenida para a inauguração da decoração natalina no dia 25. A primeira pessoa contaminada na entidade foi uma funcionária (psicóloga) que foi diagnosticada com a doença no dia 11. Ela já está curada. 

O médico infectologista da Santa Casa, Maurício Kenzo, disse que a funcionária poderia estar disseminando o vírus cerca de dois dias antes de apresentar os primeiros sintomas, portanto, provavelmente, na primeira semana de novembro, bem antes de qualquer evento público. 

Segundo ele, o surto é localizado, pontual e não há risco sério para a população em geral. Cerca de 80% dos jalesense já estão com o esquema vacinal completo. A Prefeitura informou que a programação de fim de ano está mantida.

O Lar dos Velhinhos tem 62 moradores e 37 funcionários. Até a tarde dessa sexta-feira, 29 idosos tinham recebido diagnóstico positivo desde que o surto foi constatado. 4 precisaram ser internados na Santa Casa. 7 funcionários também testaram positivo, sendo que apenas 4 permanecem em isolamento domiciliar. Outras 24 pessoas aguardam resultados de exames. 

Apesar de alguns estarem ocupando leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva, para onde vão os casos mais graves), todos apresentaram apenas sintomas leves, graças a vacina, que reduz a capacidade e eficiência do vírus. Alguns precisaram receber oxigênio para melhorar a saturação, mas em quantidades mínimas apenas para aumentar o corto respiratório. 

Maurício Kenzo garantiu que as medidas adotadas reduzem consideravelmente os riscos para a população em geral.    

A secretária de Saúde, Nilva Gomes, explicou que, assim que a informação sobre os casos chegou ao município, imediatamente, foi providenciado um esquema para examinar, testar, acompanhar tratar todos os idosos e funcionários. 

Ela evitou apontar culpados pela demora em comunicar o surto, mas admitiu que se uma sucessão de erros do município e da entidade fosse evitada, a situação poderia não ser tão grave. 

A Secretaria de Saúde só teria ficado sabendo da situação durante uma reunião ocorrida na semana passada para discutir uma parceria entre a Prefeitura e a entidade. Nenhum representante do Lar procurou o município para relatar a presença do vírus entre os idosos.  

De acordo com as vigilâncias Epidemiológica e Sanitária, a direção do Lar dos Velhinhos demorou entre 10 e 15 dias para informar o município sobre a explosão de casos dentro da instituição. Mesmo diante da constatação do primeiro caso, não houve providências imediatas para isolar os idosos e os demais funcionários. “Não acendeu a luz vermelha”, reconheceu a enfermeira Patrícia Albarelo.

“A Unidade de Saúde acabou detectando o caso, mas não repassou a informação para a outra unidade, que seria a do Lar. Nem chegou para a Secretaria que a doente se tratava de uma funcionária da entidade. Só chegou em um segundo momento, quando o surto já estava consolidado”, disse a enfermeira Elaine Cristina Lopes Botaro, da Vigilância Epidemiológica.  

NOTA À IMPRENSA

Na manhã de sexta-feira, a diretoria do Lar dos Velhinhos enviou para a nossa redação uma nota informativa sobre o caso. Os números e datas são diferentes das informadas pela Secretaria de Saúde.        

Segundo a instituição, naquela ocasião, os positivados eram 19 idosos moradores e 5 funcionários. No momento 4 idosos estão internados na Santa Casa em estado leve, fazendo uso de oxigênio, mas não precisaram ser entubados. 2 idosos estão internados na UPA local. 

Dos 5 funcionários que testaram positivos, 3 já retornaram ao trabalho. Os outros estão afastados e passarão por exames no retorno.

“No dia 19 de novembro, no dia da vacinação da terceira dose, no período da tarde, uma funcionária apresentou alguns sintomas, foi orientada a ser afastada do trabalho e a realizar o teste, que atestou positivo e sendo orientada a procurar o centro de atendimento para pacientes da Covid na cidade. Os idosos foram monitorados pela equipe de enfermagem, e a primeira a manifestar foi encaminhada para a UPA para atendimento médico. Ficou em uma ala do próprio Lar em isolamento e ao apresentar um agravamento no seu estado de saúde foi encaminhada para a UPA onde ficou internada”, diz a nota.

Deixe um comentário