Situação confirma favoritismo e vence eleição da OAB-Jales

291121172806.jpg
Ricardo Hentz Ramos ladeado dos membros da chapa vencedora da eleição em Jales, durante evento de campanha

Com aproximadamente três votos por um, a chapa liderada por Ricardo Hentz Ramos, atual secretário-geral da 63ª subseção da Ordem dos Advogados do Brasil, venceu a eleição local, confirmando o favoritismo da administração atual. Ricardo recebeu 311 votos contra 102 de Edson Francisco da Silva. Quatro advogados votaram em branco e sete anularam o voto. 641 advogados estavam aptos a votar, sendo que 432 votos foram apurados.

Ricardo Hentz atua na diretoria da 63ª Subseção da OAB desde 2011, quando passou a integrar a Comissão de Assistência, depois assumiu a presidência da CAA. Em 2013, foi eleito secretário adjunto, na chapa que elegeu Aislan pela primeira vez. Na gestão Marlon Garcia foi vice-presidente e atualmente é secretário-geral. 

Ao jornal A tribuna, o presidente eleito disse que o plano é exatamente dar continuidade ao trabalho que foi consagrado nas últimas eleições. “Trabalho de cooperação, ouvir todos os advogados, do mais novo ao mais velho, ver novas ideias e aos poucos ir incluindo essas propostas. Já dei os meus parabéns ao meu amigo Edson Jack pela eleição limpa que tivemos e vamos conversando sobre o que podermos aproveitar das propostas deles. Tudo em prol aos advogados”.  

Ricardo também pretende conversar com a nova diretoria estadual para, na medida do possível, conciliar propostas, especialmente na área social. 

“Vamos melhorar a área social, que eu acho que herdei muito do meu pai (João José Ramos – ex-presidente da APAE). Fizemos algumas campanhas de cesta básica, fizemos uma feijoada e estamos arrecadando brinquedos. Ajudar as pessoas é muito bom, então vamos trabalhar porque a campanha já acabou e a OAB é apartidária e vamos continuar da mesma forma”. 

CONSAGRAÇÃO   

A chapa situacionista estadual também venceu em Jales, apesar do resultado adverso em âmbito estadual. Na 63ª Subseção, Caio Augusto Silva dos Santos, venceu também com uma boa margem de vantagem. Teve 262 votos contra 127 de Patrícia Vanzolini, que acabou sendo eleita presidente estadual. 

De acordo com o atual presidente, Marlon Garcia Livramento, a nova administração começa efetivamente em janeiro, mas a posse “festiva” ainda não tem data, já que será marcada pela Ordem estadual. “Provavelmente em fevereiro”. 

Apesar do seu candidato não ter conseguido sucesso na eleição estadual e Jales ter perdido o representante na OAB paulista (Aislan de Queiroga Trigo era secretário geral no Estado), o resultado local pode ser considerado sinal de aprovação do grupo que comanda a entidade desde a eleição de Aislan, antecessor de Marlon. Ambos foram reeleitos.

Por outro lado, a expectativa é que a nova diretoria estadual busque aproximação com a diretoria local, já que não possui nenhum conselheiro na região.    

A nova diretoria da OAB Jales é composta por Ricardo Hentz Ramos - presidente, Arnaldo Andreu – vice-presidente, João Diamantino Neto – secretário geral, Fernanda Oliveira – secretária adjunta, e Daniela Santos – tesoureira.  

MULHER VAI PRESIDIR A OAB-SP PELA PRIMEIRA VEZ

Prestes a completar 90 anos de fundação, em janeiro do ano que vem, a seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil elegeu nesta quinta-feira, 25 de novembro, sua primeira mulher presidente. Trata-se de Patricia Vanzolini, de 49 anos, advogada criminalista e professora na Universidade Presbiteriana Mackenzie, com mestrado e doutorado em direito pela PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo. Em 2018, concorreu à vice-presidência da OAB-SP.

“Com a alegria e a honra de ser escolhida a primeira mulher a presidir a OAB de São Paulo, venho agradecer em nome de todos os integrantes da chapa o histórico apoio recebido pela advocacia paulista. Mais do que representar a primeira mulher no comando da maior seccional do país, reconheço o peso da responsabilidade que é reconstruir a Ordem com meu compromisso de atuar na defesa intransigente das prerrogativas de todos os advogados e da valorização da profissão, do primeiro ao último dia de meu mandato. O momento é de união e responsabilidade, com o compromisso de atuar para todos os advogados, independentemente da chapa que eles defenderam neste pleito”, disse Vanzolini logo após a vitória ser confirmada matematicamente.

A campanha da nova presidente passou por reviravoltas nesta eleição da OAB. Próximo do fim do prazo da inscrição das chapas, o pré-candidato Leonardo Sica desistiu da candidatura a presidente e anunciou apoio a Vanzolini, como candidato a vice.

Na reta final da campanha, semana passada, Patrícia foi diagnosticada com Covid-19, teve de permanecer isolada e em repouso, não participou do debate da ConJur e interrompeu o corpo a corpo de sua campanha na reta final, principalmente pelas seções do interior do estado, onde o atual presidente, Caio Augusto Silva dos Santos, que tentava a reeleição, concentrava suas forças.

Uma das principais bandeiras da campanha da presidente eleita é promover a modernização da seccional paulista da OAB. “É assustador como uma entidade desse tamanho, com esse orçamento, uma receita de R$ 344 milhões, um orçamento que é maior que metade dos municípios de São Paulo, não tem procedimentos de transparência, de compliance, de boas práticas, de fiscalização de contratos, de fiscalização de contratações, enfim, processos de governança”, disse em entrevista à ConJur.

Deixe um comentário