Prefeitura diz que Elektro confunde população sobre manutenção da iluminação pública

280120091019.jpg
A manutenção da iluminação pública poderá voltar a ser terceirizada

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As reclamações contra a falta de iluminação pública em vários pontos da cidade, em função de postes com lâmpadas apagadas, voltaram com muita força, principalmente nas últimas semanas. Segundo a Ouvidoria Geral do Município, a Prefeitura de Jales recebe, em média, de quatro a cinco reclamações por dia. “Tem dia que a gente chega a receber de oito a dez reclamações”, explicou o ouvidor Alisson Bruno Barbieri Leite. Segundo o ouvidor, boa parte dessas reclamações são feitas por usuários que procuram a Elektro e são informados de que a manutenção da iluminação pública é de responsabilidade da Prefeitura, o que, pelo menos por enquanto, não é verdade.

Na manhã de terça-feira, 21, quando a reportagem do jornal procurou Alisson, a Procuradoria já contabilizava duas reclamações, ambas registradas por moradores do Jardim América, que apontavam vários pontos escuros no bairro. Um dos moradores confirmou que entrou em contato com a Elektro e recebeu a informação de que deveria procurar a Prefeitura. A outra moradora disse que o atendente da Elektro com quem ela falou não sabia dizer se a responsabilidade pela substituição das lâmpadas queimadas era da própria Elektro ou da Prefeitura. “Ele ficou em dúvida, mas quando eu disse que na minha conta tinha uma tarifa referente à Contribuição para Iluminação Pública, ele falou pra eu procurar a Prefeitura para reclamar”, afirmou a moradora.

Para o ouvidor, o comportamento da Elektro acaba confundindo os usuários. “Tem gente que, depois de ligar para a Elektro, liga para a Ouvidoria e quando nós informamos que a responsabilidade pela manutenção é da Elektro, a pessoa fica irritada e sem saber em quem acreditar”, disse Alisson. “As pessoas acham que pelo fato de a Prefeitura cobrar a Contribuição para o Custeio da Iluminação Pública, cabe ao município resolver todos os problemas de pontos escuros, mas não é bem assim. A Prefeitura só é responsável pela manutenção da iluminação ornamental dos canteiros centrais das avenidas e das praças públicas”, completou o ouvidor.

A situação chegou a tal ponto que a Ouvidoria providenciou, durante a semana, um cartaz que está circulando nas redes sociais com explicações sobre o assunto. “Informamos que a iluminação pública do município de Jales é de responsabilidade da Elektro – 0800 701 0102; se a reclamação for sobre lâmpadas ornamentais (Praças e Canteiros), ligar para a Prefeitura – 0800 772 0063”, diz o cartaz que está sendo divulgado pela Ouvidoria. As providências da Ouvidoria não ficaram apenas no cartaz. Durante a semana, o ouvidor enviou um ofício à Elektro, expondo sua preocupação com as informações que a empresa vem fornecendo aos moradores de Jales. A assessoria da Elektro ficou de dar uma posição até o dia 06 de fevereiro.

As queixas dos moradores, no entanto, não se referem apenas à iluminação pública. A iluminação ornamental também está sendo alvo de muitas reclamações. Avenidas como a “Paulo Marcondes”, a “Shiguero Kitayama”, “Francisco Jalles” (proximidades do Hospital de Amor) e “João Amadeu” (prolongamento para o Jales Clube) são objeto de constantes reclamações de moradores.

 

Município pretende reassumir manutenção da iluminação pública

 

Se depender da vontade do secretário municipal de Planejamento e Trânsito, Niltinho Suetugo, toda essa confusão sobre a responsabilidade pela manutenção da iluminação pública deverá terminar em breve. Niltinho disse que a Prefeitura está perto de fechar um acordo com a Elektro, pelo qual a municipalidade reassumirá a manutenção de toda a iluminação pública e não mais apenas da iluminação ornamental. “Nós estamos em conversação com a Elektro para reassumirmos a manutenção da iluminação pública e ao mesmo tempo estamos preparando estudos para abrir uma licitação objetivando a contratação de uma empresa terceirizada para cuidar dessa manutenção” disse Niltinho.

  O secretário ressaltou que, durante parte do mandato do ex-prefeito Pedro Callado, a Prefeitura, por uma decisão da Justiça, teve que assumir a responsabilidade pela manutenção da iluminação. “Foi um período em que esse serviço funcionou muito bem. A Prefeitura contratou uma empresa – a Malta, de Votuporanga – para cuidar da iluminação e as reclamações praticamente acabaram. Depois, por força de uma liminar obtida na Justiça pela Prefeitura de Jales, a manutenção voltou a ser feita pela Elektro. Agora, para reassumirmos o serviço, teremos que abrir mão da ação que ganhamos na Justiça Federal”, explicou Niltinho.

 

Cronologia

 

Setembro de 2010 – A ANEEL emite a Resolução 414/2010, que estabelece as condições gerais para o fornecimento de energia elétrica. Entre outras coisas, a Resolução estabelece que, a partir de janeiro de 2014, a manutenção da iluminação pública passa a ser uma obrigação dos municípios.

Julho de 2015 – A Prefeitura de Jales, depois de alguns adiamentos, finalmente assumiu a manutenção da iluminação pública. A administração Pedro Callado contratou, por quase R$ 50 mil mensais, a empresa Malta, de Votuporanga, para cuidar da manutenção de quase 7.692 pontos da iluminação pública e mais de 664 pontos da iluminação ornamental.

Maio de 2016 – Depois de 10 meses em que as reclamações diminuíram bastante, a Prefeitura obtém uma liminar que devolve a responsabilidade pela manutenção da iluminação pública para a Elektro. O contrato com a empresa Malta é rescindido.

Outubro de 2016 – Com a volta da Elektro, voltaram também as reclamações e o prefeito Pedro Callado, juntamente com o responsável pelo relacionamento e comunicação da Elektro, Fábio Costa, tiveram que reunir a imprensa local para tratar das falhas apontadas na iluminação pública da cidade, que eram muitas.

220220173843.jpg

Deixe um comentário

Parceiros

220220172639.jpg
220220172819.jpg
220220172826.jpg
220220172833.jpg 220220173642.jpg

Social

Nenhuma notícia encontrada.

Últimas Notícias

A Tribuna TV

Enquete

Para combater o mosquito que transmite Zika,Dengue e Chikungunya, os agentes de saúde devem ou não entrar nos locais com suspeita de foco mesmo sem a autorização do proprietário?



Resultados