Polícia Ambiental realiza Operação Pré-Piracema

041119094930.jpg
A Polícia Militar Ambiental intensificou o policiamento ostensivo ambiental com fiscalizações diurnas e noturnas durante a Operação Piracema

A Polícia Ambiental realizou a Operação Pré-Piracema, desenvolvida entre os dias 21 a 31 de outubro, com enfoque em atividades relacionadas a preservação e repressão de infrações à ictiofauna, tendo em vista ao período de defeso que se iniciou na sexta-feira, dia 01 de novembro.

Policiais militares ambientais procederam a fiscalização de 1.106 pescadores e 528 embarcações, tendo como resultado 58 Boletins de Ocorrência lavrados, 117 Termos de Vistoria Ambiental realizados, 77 Autos de Infração Ambiental confeccionados, 9.201 metros de redes de pesca apreendidos, 09 tarrafas apreendidas, 18 carretilhas apreendidas, 16 embarcações apreendidas, 14 motores de popa apreendidos e mais de 288 quilos de pescados apreendidos. Os referidos pescados que estavam adequados para o consumo, foram doados a entidades filantrópicas.

Já no período entre os dias 1 de novembro de 2019 a 29 de fevereiro de 2020, o 4º Batalhão de Polícia Ambiental está realizando a Operação Piracema, através da intensificação do policiamento ostensivo ambiental nas áreas de pesca, sendo que nas fiscalizações os policiais ambientais verificam se os pescadores estão adotando o preceituado na Instrução Normativa do Ibama, que estabelece as normas para a pesca no período de reprodução natural dos peixes na bacia hidrográfica do Rio Paraná.

“Nada mudou em relação a Piracema do ano passado, ou seja, é proibida a captura de espécies da fauna ictiológica da nossa região, como corimba, piau, traíra, barbado, dentre outros, sendo permitida a pesca, na quantidade máxima de 10 kg mais um exemplar por pescador amador, de espécies que não são provenientes da Bacia do Paraná, como corvina, tilápia, tucunaré, zoiudo, e carpa”, disse o comandante do 4º Batalhão de Polícia Ambiental, Ten. Cel PM Fabiano Ferreira do Nascimento.

O comandante informou ainda que é permitida a utilização de iscas de peixes vivos, desde oriundos de criações e acompanhados de nota fiscal ou nota do produtor. Lembrou ainda que é vedada a pesca subaquática, bem como o uso de materiais perfurantes, tais como arpão, arbalete, fisga e lança.

Os comerciantes de pescado e pescadores profissionais tem até amanhã, segunda-feira, para apresentar a declaração de estoque dos peixes in natura, congelados ou resfriados, provenientes de águas continentais.

Deixe um comentário

Parceiros

050315164829.jpg
050315165005.jpg
050315163746.jpg
050315172328.jpg
050315171824.jpg

Colunistas

Últimas Notícias

A Tribuna TV

Enquete

Para combater o mosquito que transmite Zika,Dengue e Chikungunya, os agentes de saúde devem ou não entrar nos locais com suspeita de foco mesmo sem a autorização do proprietário?



Resultados