Maioria aprova reabertura de bares e restaurantes com restrições

010920094951.jpg
.

A polêmica sobre a reabertura de bares e restaurantes, mesmo com as restrições impostas pela fase laranja a qual Jales e região estão submetidas no Plano SP, onde é proibido o funcionamento desses estabelecimentos que é assunto há muito tempo na cidade.

Mas a questão começou a ganhar mais corpo com o movimento de proprietários de estabelecimentos do segmento em São José do Rio Preto que ameaçaram e abriram na semana passada, as portas de seus bares e restaurantes.

Em Rio Preto, depois desse movimento e pressionado por grande parcela da população, o prefeito Edinho Araújo decidiu enviar pedido ao governador João Doria, solicitando a mudança da fase, de laranja à amarela, antes da sexta-feira, dia 04 de setembro, quando será anunciado a classificação das regiões do Estado de São Paulo, pelo comitê de combate ao coronavírus no estado.

Enquete publicada no site de A Tribuna na internet verificou que a maioria dos votantes são a favor da reabertura dos estabelecimentos. “Já deveriam estar abertos faz tempo, pois é muito grande a diferença entre obrigatoriedade e escolha. Resumidamente é muito mais fácil quem não quer ir simplesmente escolher ficar em casa, que obrigar quem trabalha no ramo, ou os que querem ir a um restaurante a ficar em casa”, disse um leitor do jornal favorável à reabertura.

O jornal A Tribuna ouviu várias pessoas de nossa sociedade sobre a questão da reabertura dos bares e restaurantes. Veja a opinião de cada um deles:

 

Caso o senhor(a) fosse prefeito, editaria um Decreto para a abertura dos bares e restaurantes? Qual a sua opinião sobre o assunto?

 

José Adriano Pacheco  Comerciante

“Sim, editaria, mas devido a pandemia, obrigando as empresas a tomarem todos os cuidados, com equipamentos para os funcionários e clientes, inclusive reduzindo o número de pessoas e distanciamento, e punindo quem não respeitar as medidas de proteção”. 

 

Vanessa Molina Empresária

“Diante do cenário atual, onde a circulação de pessoas está ativa, sendo o único meio de evitar o contágio de forma eficaz, seria a vacina, e a cidade depende dos pequenos comerciantes, é preciso com urgência a retomada dos bares e restaurantes que estão dentro desta categoria. A queda de faturamento é brutal. O delivery está sendo a única saída para 50% dos estabelecimentos continuarem operando. Mesmo assim, a queda na receita é de mais de 75% para empresas do setor. Preciso como prefeito avaliar e perceber a gravidade e permitir o retorno, dentro das normas de segurança às atividades. Em alguns lugares já começou a ser permitida a reabertura dos estabelecimentos para o serviço no salão. E a retomada não está sendo fácil. Ela significa retomar custos fixos que estavam suspensos e até investir e com certeza encontrarão dificuldades em repor seu estoque. Por isso, é necessário e com urgência, planejar a retomada para conservar e prevenir até o fechamento com falência de várias empresas neste setor. Planejar à situação pré-crise.”

 

Luis Especiato Professor

“Esse é um assunto bastante delicado, mas quero deixar claro que sou legalista, defendo a aplicação da lei. Até para não acontecer como em outros municípios que decretaram a abertura e sofreram ação na justiça, revertendo o decreto por inconstitucionalidade. Outro fator que também precisa ficar claro é que o mais importante é a defesa da vida das pessoas. No entanto, respeitando os protocolos da saúde, e considerando a abertura de vários outros setores do comércio, acredito que nesse aspecto, bares e restaurantes estejam sendo penalizados. Dentro dos protocolos e de acordo com a classificação de município, defendo sim a abertura do setor. Temos o exemplo de São José do Rio Preto, onde o prefeito solicitou a antecipação da análise por parte da secretaria de saúde, isso para não incorrer em ato administrativo inconstitucional. A edição de um decreto só ocorreria dentro da legalidade, Sou a favor da abertura, se ocorrer dentro da lei, pois ninguém está acima dela.”

 

Arnaldo Luis Carneiro Andreu Advogado

“Ainda que seja um momento complicado em que a cidade está passando, com altos índices de casos positivos, e de suspeitos, penso que, se mercados e outros comércios não essenciais estão podendo abrir, porque não bares e restaurantes com as restrições pertinentes, Não vejo diferença. Então sim, editaria um decreto”.

 

Leandro Rocca Empresário e presidente da ACIJ

“Com certeza editaria. Devido a esses locais não serem os de maior aglomeração e também por estarem há vários meses parados. Eles ajudam a movimentar a economia da cidade. Não podemos ter mais empresas fechando, mais pessoas perdendo o emprego”.

 

Luis Henrique Moreira  Empresário

“Entendo que as medidas de restrição foram precipitadas e tomadas muito cedo, quando não havia casos da Covid-19. Mas qualquer decisão nesse sentido deve ser profundamente discutida com as autoridades de Saúde, o comércio e com a Procuradoria Jurídica do Município e não pode envolver política. É certo que a condição de Jales é bastante diferente da de Rio Preto, Votuporanga, Fernandópolis e Santa Fé do Sul, onde os níveis de letalidade são muito maiores. E alguma atitude precisa ser tomada. Ficar apenas passivo esperando decisões tomadas longe da nossa realidade não é o ideal”.

 

Joaquim Severino de Almeida Médico

“Não editaria este decreto para abertura de bares e restaurantes. Digo isso, pelo momento que estamos passando, em pleno pico da Covid-19, com nossa UTI hoje em 100% ocupada e enfermaria com 60% de ocupação. As aberturas de bares e restaurantes, bem como de outros setores (exemplo academias), com certeza iriam contribuir para a piora deste quadro, com mais riscos de transmissão da doença, apesar das normas de segurança”.

Deixe um comentário