Lula, na visão de Rodrigo Perez de Oliveira

030717102346.jpg
.

“Não dá mais pra tampar o sol com peneira: Lula errou, e errou feio. Não é fácil admitir: tenho 31 anos. Votei pela primeira vez aos 16, em Lula. É óbvio!

Sempre votei junto com Lula, para todos os cargos. Todos! Lula apoiava e eu ia lá e pá! Votava. Votei em Sérgio Cabral, votei em Eduardo Paes. Entendia como o preço a ser pago por algo maior.

Votei sim, com cinismo.

Durante a metade desses 31 anos de vida, olhei para o governo federal e vi o partido dos trabalhadores lá, tocando o projeto político que me formou. É que sou da geração REUNI, entendem? Me formei  como professor e intelectual, da graduação ao doutorado, na universidade pública administrada pelos governos petistas.

Todo aquele papo que vocês já conhecem: primeiro universitário da família, e blá, blá blá. Trabalhei e estudei muito, muito mesmo. Mas tenho certeza, absoluta certeza, de que não chegaria aqui sem as políticas públicas petistas. Sou um entusiasta da ideia de mérito, pois uma sociedade que não se fundamenta no mérito acaba se transformando no império dos privilégios.  Não podemos entregar a ideia de “mérito” numa bandeja de prata para a direita. Precisamos disputar essa narrativa, e reconhecer que toda a ascensão social da última década se explica pelo encontro virtuoso entre mérito e política pública. Não foi só mérito. Não foi só política pública. É o encontro entre os dois.

Confesso que é muito difícil pensar o governo federal brasileiro sem o Partido dos Trabalhadores, sem as inaugurações das unidades do Minha Casa Minha Vida. É triste. Mas o tempo passa, e na medida em que os governos petistas vão cada vez mais se transformando em ausência, vou conseguindo ter uma leitura mais sóbria disso tudo, menos apaixonada. E como a sobriedade é o terreno da crítica, vai lá a minha, sob a forma de um textão.                            Não é, exatamente, uma autocrítica, pois jamais tive uma relação fisiológica com o partido. Por vários momentos, fiquei a um passo de formalizar esse vínculo, mas nunca fiz.  Não sei bem por quê.

Enfim.

O grande erro do PT, continua Rodrigo Perez de Oliveira, foi o grande erro de Lula, pois já há algum tempo, Lula é maior que o PT, para o bem e para o mal. Foi um erro conceitual. Foi um erro relativo à percepção de mundo, à compreensão do que é o Brasil. Justo Lula, tão sagaz, tão sensível para o entendimento da realidade brasileira. Ele errou e errou feio.

Explico.

É que algumas ideias circulam como o ar, entendem?  Algumas ideias estão em todos os lugares, configurando nossos sentidos, mediando nossa relação com o mundo. Se quiserem, podem chamar isso de “senso comum”. A gente nem sabe de onde a ideia veio e por que pensa assim. Mas pensa. É algo tão profundo que se torna quase uma natureza.  O erro de Lula tá aí. Talvez nem dê pra chamar de erro.  Não! Vou chamar de erro sim! Não vou aliviar o sapo barbudo. Não dessa vez! Vou botar pra fuder mesmo. Não tô nem aí. Chega! Perdi a paciência!

Lula naturalizou uma das principais narrativas de fundação do Brasil, exatamente aquela que define nossas elites como “cordiais”, “paternais”.  Nossos senhores de escravo seriam mais generosos. Nossos patrões seriam mais bondosos. Nossa Casa Grande seria a morada não apenas da opressão, mas também do cuidado, da proteção.

O mito da cordialidade senhorial brasileira é tão forte, mas tão forte, que, de alguma forma, ele se faz presente em todos nós.  O mito da cordialidade senhorial estava em Lula, prefigurando a sua ação política, a sua interpretação do Brasil.

“Lula gosta de vida boa e cachacinha. Faz tudo pelos pobres, mas nunca quis incomodar os de cima”, disse Marcelo Odebrecht, em delação premiada. Essa frase merecia mesmo um prêmio, um Oscar!

O aforismo define Lula com perfeição: Lula se convenceu de que seria possível melhorar a vida dos pobres sem incomodar os de cima. Lula comprou mito da cordialidade senhorial.  Lula, meus amigos, superestimou as elites brasileiras.

Lula pensou: “porra, é só Bolsa Família. Três refeições por dia. O dinheiro vai pro mercadinho, movimenta a economia. Ninguém vai se incomodar com isso”. Lula pensou: “qual o problema do pobre estudando na universidade? Quanto mais gente estudando, melhor pra todo mundo, mais educada fica a sociedade”.  Lula pensou: “quanto mais gente andando de avião, mais as passagens ficam baratas. Melhor pra todo mundo”.

Lula errou, errou feio, errou rude. Lula não imaginava que as elites brasileiras pudessem ser tão mesquinhas.

Lula estava convencido de que dava pra melhorar a vida dos pobres sem incomodar os de cima. Afinal, uma coisa não necessariamente resulta na outra. Certo?

Não, não e não.  Não porque o cálculo dessa gente não é objetivo. Nossas elites não são racionais. Nossas elites são de tipo antigo, estão atravessadas pela noção de privilégio.

A madame de Copacabana, viúva de militar, pensionista, não quer saber se é melhor, racionalmente falando, viver em um país onde as pessoas comam três vezes por dia. O simples fato de o pobre “ganhar” alguma coisa, uma merrequinha que seja, incomoda a rentista, a parasita que não trabalha, que não produz porra nenhuma pra ninguém. O jornalista do Leblon não quer saber se o aquecimento do consumo é algo positivo pra economia do país. O simples fato de descer do prédio e ver as TVs expostas nas vitrines das Casas Bahia tocando brega, funk e sertanejo lhe enoja. É isso: ele sente nojo, asco daquela estética, daquele tipo de gente.            A professora universitária não quer saber se a passagem de avião tá mais barata. Ela olha pro lado e ve o mestiço ali, de bermuda e chinelo, quase encostando nela. Tá muito perto, tá igualado pela posição de consumidor.

É outra lógica da luta de classes, entendem? É a luta de classes materializada na forma de convívio nos espaços de consumo, de gozo. Nossa elite não consegue aceitar o gozo do pobre. Para as nossas elites, o pobre só deve gemer de dor. O prazer é monopólio, é privilégio. Nossas elites são sádicas.  É com esse tipo de gente que convivemos, amigos. Um cabra que nem o Aécio, por exemplo, que manda matar, manda demitir e foda-se. É uma gente que não tem limites. Lula vacilou, vacilou muito.                                          Lula achou que não precisava barbarizar, achou que dava pra todo mundo conviver em harmonia.  Lula não quis ser caudilho. Não quis cultivar um dispositivo militar. Não quis fechar a Globo. Não quis fazer culto à imagem. Não quis botar um busto de bronze em cada buraco desse país. Não quis um terceiro mandato. Não quis rasgar a constituição.

Lula não quis aparelhar o judiciário. Puta que Pariu. Lula errou muito. Em algum momento, Lula achou que o problema do Brasil estava resolvido, e que era hora de sair de cena. Lula chegou a pensar em abandonar a política, e se tornar uma liderança mundial no combate à fome; um líder identificado com uma agenda humanista, suprapartidária. Tolo!

Lula brincou de republicanismo na terra dos coronéis. Lula errou muito. Lula achou que nossas elites o perdoariam, o deixariam em paz.  Lula achou que essa gente perdoaria sua ousadia.

Lula achou que poderia se sentar à mesma com eles. Beber o mesmo vinho. Eles não engolem, eles não aceitam esse peão cachaceiro, insolente.  Analfabeto.

Lula errou em se deixar levar pelo mito da cordialidade senhorial, e pagou caro, muito caro.  Pagou com a infelicidade dos filhos e netos, com a morte da companheira de uma vida. Lula sofrerá até o último momento de sua vida. Lula será odiado por essa gente mesmo depois de morto.

Lula errou, e errou feio.”

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Parceiros

050315164829.jpg
050315165005.jpg
050315163746.jpg
050315172328.jpg
050315171824.jpg

Colunistas

Últimas Notícias

A Tribuna TV

Enquete

Para combater o mosquito que transmite Zika,Dengue e Chikungunya, os agentes de saúde devem ou não entrar nos locais com suspeita de foco mesmo sem a autorização do proprietário?



Resultados