Homem é preso depois de atear fogo em terreno no Distrito 2

300821153807.jpg
Homem é preso depois de atear fogo em terreno no Distrito 2

Um servente de pedreiro de 41 anos com histórico de danos ao patrimônio alheio foi preso na tarda da última segunda-feira, 23 de agosto, depois de atear fogo em um terreno no Distrito Industrial II, em Jales. Foi a segunda vez que o homem, cuja identidade não foi revelada, incendiava o imóvel. Segundo testemunhas, ele também é suspeito de ter iniciado um incêndio no mesmo terreno na sexta-feira anterior.  

De acordo com o boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil, o homem foi contido por moradores até a chegada da Polícia Militar. A polícia disse que ele já tem várias passagens e é conhecido dos meios policiais. Não se sabe se ele agiu sozinho e se foi a mando de alguém. 

Todo o terreno foi atingido pelas chamas que se alastraram rapidamente pelo mato seco. Dois caminhões de empresas localizadas nas proximidades estavam estacionados ao lado do terreno, mas os motoristas conseguiram ver o momento em que as chamas começaram e tiraram os veículos.

Foram os funcionários dessas mesmas empresas que chamaram a polícia e impediram o incendiário de deixar o local até os bombeiros chegarem e darem voz de prisão a ele. O homem foi preso ainda com um isqueiro que teria sido usado no crime. 

O homem foi preso em flagrante e indiciado no artigo 250 do Código Penal, que tipifica o crime de Incolumidade pública, que significa colocar a vida ou o patrimônio alheio em perigo. Trata-se de crime inafiançável com pena de até seis anos de reclusão. O homem foi encaminhado para a Cadeia Pública de Santa Fé do Sul. 

BOMBEIROS

Na sexta-feira, os bombeiros foram acionados e impediram que o pior acontecesse. Na segunda-feira, não deu nem tempo. “Em coisa de cinco minutos, o fogo queimou tudo”, contou um funcionário de uma empresa vizinha do terreno. 

Ao lado do imóvel, existe uma gráfica com farto material inflamável. O temor era que alguma fagulha entrasse no prédio e causasse um incêndio. Por sorte, isso não aconteceu.  

 

Deixe um comentário