Em nota de repúdio, Conselho Municipal de Saúde critica reforma do prédio da Câmara

130120093815.jpg
Reforma, que inclui construção de duas salas para vereadores, começou na segunda-feira, 06

O presidente do Conselho Municipal de Saúde, José Célio Martini, divulgou “nota de repúdio” na segunda-feira, 06, condenando a iniciativa da Câmara Municipal de promover uma reforma no prédio do Legislativo a um custo de quase R$ 270 mil. Antes de divulgar a nota, Martini consultou todos os demais membros do Conselho, que aprovaram o texto distribuído à imprensa, no qual os conselheiros criticam a prioridade dada pela Câmara à reforma do prédio, enquanto a saúde municipal passa por sérias dificuldades, principalmente no setor de transporte de pacientes. Na opinião de Martini e dos demais conselheiros, o dinheiro gasto para, segundo eles, “melhorar o conforto” dos vereadores, seria melhor utilizado se a Câmara destinasse os R$ 270 mil para, por exemplo, a aquisição de novas ambulâncias.

“Pessoalmente, não tenho nada contra os vereadores, muito pelo contrário, posso garantir que tenho muito respeito pelo trabalho deles. O objetivo da nota é apenas colocar o assunto em discussão. Afinal, a Câmara é mantida pelos impostos cobrados dos contribuintes e eu penso que eles têm o direito de ao menos ficar sabendo onde o dinheiro desses impostos está sendo investido. Mais do que isso, eu penso que os contribuintes têm inclusive o direito de opinar sobre qual a melhor maneira de investir o dinheiro público. Nós, que trabalhamos voluntariamente para tentar melhorar o atendimento na área da saúde, acompanhamos diariamente o sofrimento de usuários por conta das péssimas condições das ambulâncias e dos ônibus utilizados no transporte de pacientes. Por isso, defendemos que seria mais importante comprar novos veículos para esse transporte, do que reformar a Câmara”, explicou Martini ao jornal A Tribuna.

 

 

Nota de Repúdio

 

No dia 02 de janeiro de 2020, a população de Jales foi surpreendida com a notícia da destinação pelo Poder Público Municipal (Câmara de Vereadores e Prefeitura) de R$ 61.895,00 para entidades assistenciais do Município (notícia divulgada pelo Jornal de Jales). A mesma nota informou que a Câmara Municipal destinou o restante dos recursos de 2019 (por volta de R$ 267 mil reais) na reforma do seu prédio.

Segundo consta no portal do Legislativo, trata-se de obra destinada a construção de duas salas no interior da Câmara Municipal de Jales, reformas em banheiros, substituição de portão e outros (Convite nº 01/2019 – data da Sessão Pública 09/12/19).

O Conselho Municipal de Saúde de Jales, na condição de fiscal de ações e serviços de saúde, vem a público manifestar absoluto repúdio a referida destinação do dinheiro do povo. Com a situação precária de saúde no Município, com várias ambulâncias em estado crítico de conservação, quando pacientes do SUS não são transportados adequadamente, o Parlamento de Jales demonstra total insensibilidade com as necessidades da população, gastando excessivo valor em obra inoportuna aos anseios sociais.

Com essa Nota, espera-se que a Presidência da Câmara de Jales, com bom senso, repense a destinação do mencionado valor que é fruto do suor de todos os jalesenses, gastando o estritamente necessário a eventuais reparos emergenciais.

De igual modo, solicita-se aos demais vereadores que monitorem essa questão, a fim de que sejam resguardados o interesse público e a qualidade dos serviços essenciais.

Jales, 04 de janeiro de 2020.

José Célio Martini – Presidente do Conselho Municipal de Saúde de Jales.
 

 

Prefeitura está comprando duas ambulâncias novas

O servidor público municipal Sérgio Valério, responsável pela manutenção dos veículos da saúde reconheceu que a frota está envelhecida. “O prefeito Flá vem, na medida do possível, renovando a frota, mas ela estava bastante defasada”, diz o servidor. Segundo Serginho, algumas ambulâncias já rodaram mais de 700 mil quilômetros e estão sendo aposentadas. “Nós temos 04 ambulâncias brancas (Courrier) que estão paradas e irão ser leiloadas em breve. Elas foram compradas no governo Parini e não tem mais condições de circular. Temos ainda outra ambulância (Sprinter) de 2012, que deverá ser leiloada, já que o conserto dela está orçado em R$ 45 mil. As quatro ambulâncias do SAMU, que chegaram em 2006, também estão paradas e serão leiloadas”, explicou Serginho.

De outro lado, ele confirmou que a Prefeitura comprou, no final do ano passado, duas ambulâncias zero quilômetro, que ainda não foram entregues pela empresa vendedora. “A licitação já foi feita e foram compradas duas Montanas. Só falta a ganhadora entregar os veículos. Os recursos foram disponibilizados pelo governo estadual, através de uma emenda parlamentar da deputada Analice Fernandes. Além disso, o prefeito Flá já autorizou, também, a compra de uma van com 16 lugares e plataforma para cadeirantes, orçada em R$ 200 mil”, complementou Serginho. Ele adiantou, também, que o prefeito Flá pretende terceirizar o transporte de pacientes para São José do Rio Preto e Barretos.

“O prefeito chegou à conclusão de que, no momento, a Prefeitura não tem condições de investir R$ 750 mil na aquisição de um ônibus zero quilômetro. Assim, ele decidiu terceirizar o transporte de pacientes para São José do Rio Preto e Barretos”, disse Serginho. Segundo ele, o prefeito já autorizou a Secretaria Municipal de Saúde a solicitar orçamentos visando a contratação de uma empresa. “A ideia é contratar 01 ônibus, 01 micro-ônibus e 01 van em boas condições para oferecer mais segurança e conforto aos pacientes que necessitam do transporte”, finalizou Serginho.

Deixe um comentário

Parceiros

050315164829.jpg
050315165005.jpg
050315163746.jpg
050315172328.jpg
050315171824.jpg

Colunistas

Últimas Notícias

A Tribuna TV

Enquete

Para combater o mosquito que transmite Zika,Dengue e Chikungunya, os agentes de saúde devem ou não entrar nos locais com suspeita de foco mesmo sem a autorização do proprietário?



Resultados