Câmara quer saber por que obra de R$ 450 mil está paralisada

011220114318.jpg
A empresa decidiu romper o contrato depois de concluir apenas uma pequena parte da obra e os pedestres continuam caminhando pela rua

Quando foi anunciada, a construção da pista de caminhada na Avenida Engenheiro Euphly Jalles gerou grande expectativa na população, especialmente daquela região nobre da cidade (Jardim Estados Unidos e Aclimação). Mas a sua paralisação há algumas semanas gerou frustração e muita preocupação aos mesmos moradores. Assim o vereador João Valeriano Zanetoni começa o Requerimento 171/2020 de sua autoria.   

Segundo ele, a pista de caminhada é uma obra necessária e muito esperada pelos moradores daquela região da cidade e a Prefeitura precisa explicar os motivos da sua paralisação.

O vereador pergunta “por qual razão foram paralisadas as obras de construção da pista de caminhada na Avenida Engenheiro Euphly Jalles e quando estas obras serão retomadas e qual é a previsão para conclusão”.

O requerimento foi aprovado por unanimidade na Sessão Ordinária da última segunda-feira, 23 de novembro e a Prefeitura tem 15 dias para respondê-lo. 

A obra foi licitada no começo do ano e o edital previa um custo total de R$ 450.431,76 e conclusão em 240 dias, ou seja, já deveria estar pronta e inaugurada em setembro. 

Segundo o edital disponível na página de licitações do site da Prefeitura, a vencedora deveria construir a pista de caminhada e revitalizar os canteiros daquela via, incluindo a aplicação de materiais, equipamentos e mão de obra.

Deverão ser instalados 36 postes em aço galvanizado com distâncias variadas de 24 a 36 metros entre eles, “para obter bom espaçamento entre as árvores já existentes”. Também deverão ser instaladas 36 caixas de passagem e feito o plantio de grama do tipo São Carlos.

IMPLANTAÇÃO DA PISTA 

Apesar de incluir um serviço detalhado de demolição e reconstrução do pavimento e do canteiro, é a construção da pista que vai demandar mais dinheiro e dedicação da empresa. 

Segundo o Memorial Descritivo, a pista de caminhada deve conter sinalização horizontal com tinta retro-refletiva à base de resina acrílica com microesferas de vidro, que será aplicada nos elementos que compõem a sinalização horizontal da via. São eles: faixas de borda (cor branca) e faixa de caminhada (cor vermelha). 

A tinta deve ser à base de resina acrílica emulsionada em solvente, resistente a abrasão, ser antiderrapante; permitir boa visibilidade sob iluminação natural e artificial; ser inerte à ação da temperatura, combustíveis, lubrificantes, luz e intempéries; garantir boa aderência ao pavimento; ser de alta resistência ao desgaste. 

Também serão aplicados mini tachões monodirecionais, com refletores de vidro, na cor branca, distância de 1 metro um do outro nas faixas de borda que fazem lateral com a via.

ABANDONADA

A reportagem esteve no local na tarde de quinta-feira, 26 de novembro. Como o vereador já tinha constatado, não havia ninguém trabalhando na obra. Os canteiros realmente foram destruídos, mas apenas os postes tinham sido instalados. Mais nada. 

O local continua muito perigoso para a prática do esporte. Muitas pessoas fazem caminhada na rua, pelo canto do meio-fio, se expondo aos veículos que passam em velocidade. A avenida tem grande circulação porque cruza vários bairros residenciais e liga os jardins Aclimação e Estados Unidos à região do Jardim Paraíso.

O secretário de Obras e Serviços Públicos, Manoel Andreo de Aro, confirmou que a obra está paralisada e que a empresa protocolou um pedido de rompimento amigável do contrato. O pedido, no entanto, não foi aceito pela Prefeitura, que está abrindo um processo administrativo contra a empresa, que é de Fernandópolis.

Segundo ele, a empresa não concorda com o cronograma de pagamentos feito pelo Governo do Estado, com quem a Prefeitura fez o convênio para a obra.

Não há previsão de retomada da construção, muito menos da inauguração, uma vez que será necessário fazer nova licitação. “Esta licitação só teve um concorrente, então teremos que aguardar a conclusão do processo administrativo para saber quais medidas serão tomadas. Se realmente esta empresa não for mais executar a obra, termos que fazer nova licitação”, disse. 

 

Deixe um comentário