Bancos digitais são opções seguras e baratas para correntistas brasileiros

261120104519.jpg
Foto: Pexels

Os bancos digitais são realidades no Brasil, especialmente entre os correntistas mais jovens. A agilidade nos processos é um dos pontos mais atrativos desse tipo de instituição, que se aproveita do mundo cada vez mais conectado e acelerado para fidelizar seus clientes, prometendo economia de tempo.

No entanto, o benefício financeiro é outro chamariz: bancos digitais eliminam algumas taxas de operações bancárias tradicionais, tornando seu uso ainda mais vantajoso.

Atualmente existem no Brasil 20 bancos digitais em operação, reunindo mais de 30 milhões de usuários. Muitos desses chegados em função da pandemia, que levou à necessidade de isolamento social. Até o final do ano é esperado que esse número chegue a 44 milhões de correntistas. Para 2021, o cenário é ainda mais promissor: provavelmente serão 73 milhões de correntistas até dezembro de 2021. Os dados são da ID Wall.

A previsão é confirmada por informações do Boston Consulting Group, que aponta que todos os meses são abertas entre 500 mil e 1 milhão de novas contas em bancos digitais.

Além de criar um novo nicho, a entrada definitiva dos bancos on-line na vida do brasileiro promoveu uma revolução no setor bancário tradicional. Essas instituições estão sendo forçadas a acelerar seus processos de digitalização, melhorar o desempenho de seus produtos digitais e ainda aumentar a oferta de soluções virtuais.

Ninguém mais quer perder tempo em fila de banco para resolver transações simples nem tampouco gastar muito dinheiro em taxas e anuidades.

Conta e carteira digital

O avanço da tecnologia trouxe uma série de novos termos e conceitos para a vida do brasileiro como as expressões "conta digital" e "carteira digital". Embora pareçam similares, são são produtos diferentes.

Uma conta digital não é prerrogativa apenas das fintechs. Os bancos convencionais como Bradesco, Itaú e Caixa também oferecem essa opção por meio de serviços de Internet Banking. Isso significa que qualquer correntista dessas instituições pode ter acesso aos seus dados bancários e fazer transações pelo computador ou pelo celular.

As carteiras digitais, por sua vez, são os meios de pagamentos e transações pela internet que não precisam ser feitos por meio de um banco, mas interagem com as contas bancárias, cartões e bandeiras de crédito e débito. Carteiras digitais também podem oferecer cartões de crédito com variados limites, como o Nubank Platinum, por exemplo.

Elas permitem a realização de compras, pagamentos e transferência para as carteiras digitais de terceiros por meio de fintechs de pagamento, como PayPal e PagSeguro.

Funcionamento dos bancos digitais

O principal ponto que diferencia os bancos digitais dos tradicionais é que tudo é feito pela internet – da abertura da conta às adesões de novos produtos, passando pelas transações bancárias. Isso facilita a vida do correntista que passa a ter total controle de suas operações bancárias na palma da mão, sem estar condicionado ao restrito horário de funcionamento das agências.

Ao dispensar a necessidade de deslocamento a uma agência física para resolver quaisquer problemas bancários, os bancos digitais tornam-se bastante sedutores. Além disso, diferentemente dos bancos convencionais, os digitais, normalmente, não cobram taxas e, quando o fazem, o valor é bem menor do que aquele praticado pelos bancos convencionais.

Analisando as principais instituições bancárias on-line em atividade no Brasil atualmente, pode-se encontrar algumas diferenças. O Nubank, por exemplo, não cobra taxa de abertura de conta e oferece gratuitamente transferência, TED, depósito via boleto e emissão do cartão com função crédito e débito. Porém, cobra uma tarifa de R$ 6,50 a cada saque.

Já o Inter garante não cobrar abertura e manutenção de conta, saques nos bancos 24h, emissão de boletos, anuidade do cartão entre contas do Banco Inter e outros bancos.

No Original é possível abrir uma conta gratuita e receber cartão de crédito sem anuidade e saque na Rede 24h sem custo. Porém, é cobrada uma taxa de R$ 12,90 por mês relativa à manutenção de conta.

Cuidados ao abrir uma conta digital

Todas essas facilidades são sedutoras, porém há o outro lado. Embora os bancos digitais garantam a segurança das transações, a tecnologia também abre espaço para fraudes, vazamento de dados, captura de senha e outros crimes. Todos eles são evitados tomando alguns cuidados essenciais. 

Antes de escolher um banco digital é importante procurar informações em sites especializados em reclamações e conversar com quem já possui a conta na instituição escolhida. Mesmo que esteja certo da mudança, o correntista deve manter a conta no banco tradicional até que se habitue ao novo formato.

Acompanhar a movimentação bancária diariamente evita que um problema pontual se transforme em uma bola de neve e traga prejuízos desnecessários. Em termos de segurança na web, é recomendado não fornecer senha ou número do cartão de crédito ou débito a terceiros, nem utilizar computadores públicos para realizar compras ou transações bancárias. 

Outra recomendação é não clicar em links recebidos por e-mail ou aplicativos de comunicação instantânea dos quais não se saiba a procedência. Esse comportamento evita que senhas e números do cartão sejam usurpadas levando a sérios danos.

Deixe um comentário