Administração quer vender o Estádio para pagar o “IPASM”

271020104654.jpg
Pelo projeto de lei, Flá teria autorização para vender o “Robertão” para saldar a dívida com o IMPSJ

 

O prefeito Flávio Prandi Franco deve enviar para a Câmara Municipal nos próximos dias um projeto de lei pedindo autorização dos vereadores para vender o Estádio Municipal Roberto Vale Rollemberg. 

A proposta foi apresentada aos vereadores na tarde desta sexta-feira, 23, pelo procurador jurídico, Pedro Callado, o secretário de Fazenda, Nivael Renesto, e o chefe de gabinete da Secretaria de Planejamento, Wellington Assunção. 

Poucos vereadores compareceram, mas deixaram claro que a aprovação não será fácil. O estádio seria colocado à venda ainda durante o mandato de Flá.

MONTANTE

As últimas informações que o jornal conseguiu apurar sobre a dívida com o IMPSJ (Instituto Municipal de Previdência Social) dão conta de que a Prefeitura tem três parcelamentos previdenciários de R$ 2.1 milhões; R$ 527 mil e a mais alta de R$ 13.5 milhões que totalizam R$ 16.303.951,77. Nesse caso, as parcelas vencem todo dia 30 de cada mês. 

Cálculos do Instituto apontam que a Prefeitura de Jales deve pagar R$ 17.6 milhões ao Instituto em 2020 e até o fim de agosto foram pagos R$ 5.1 milhões, restando ainda mais R$ 12.5 milhões que precisam ser saldados até o final do ano.

O déficit atuarial do Instituto de Previdência (IMPSJ) para este ano de 2020 está estimado em R$ 8 milhões, que terá de ser coberto pela Prefeitura. Se as regras atuais não forem modificadas, calcula-se que a Prefeitura terá que repassar R$ 64 milhões ao Instituto somente nos próximos cinco anos. Isso sem contar o repasse da contribuição normal, que já passa de R$ 7,5 milhões por ano.

Há alguns meses, o prefeito declarou que “o recomendável é que a contribuição de três ou quatro servidores da ativa cubra o salário de um aposentado, mas nós temos casos em que são necessárias as contribuições de 30 servidores ativos para pagar apenas um aposentado”.

 

Deixe um comentário